01/08/2019 10h25 - Atualizado em18/07/2019 07h49

Última noite do Arraiá do Povo consagra o Encontro Nordestino de Cultura

A noite marcou também o encerramento do Encontro Nordestino de Cultura, promovido pelo governo do estado, através da Fundação de Cultura e Arte Aperipê de Sergipe (Funcap/SE)

Notice show 6c7cd42657e16d25
Foto: Roberto Viana

Com saudosismo, sergipanos e turistas se despediram, na Orla de Atalaia, nesse domingo(30), dos festejos juninos de 2019. A última noite de programação do Arraiá do Povo contou com apresentações de artistas sergipanos e também a participação de Jorge de Altinho, de Pernambuco. A noite marcou também o encerramento do Encontro Nordestino de Cultura, promovido pelo governo do estado, através da Fundação de Cultura e Arte Aperipê de Sergipe (Funcap/SE).

Segundo a presidente da Funcap/SE, Conceição vieira, a presença marcante de público, em todos os eventos do Encontro Nordestino, prova o reconhecimento de todo o esforço realizado pelo governo do Estado, na valorização da cultura e manutenção das tradições do sergipano: “Hoje, nós estamos concluindo a programação idealizada. Aqui na Orla, uma maravilha, cada dia mais pessoas participando. Todos os dias, famílias inteiras, crianças, pessoas com deficiência e muitos jovens prestigiaram nossos artistas e os de fora. Foi um grande momento de celebração de nossa cultura, valorização do artista sergipano, divulgação de nosso estado, além da movimentação da economia e geração de emprego”, destacou a presidente.

Nesse domingo, além da apresentação de artistas sergipanos, tanto no Barracão da Clemilda quanto no Palco Jackson do Pandeiro, houve também o show do pernambucano Jorge de Altinho. Segundo ele, participar do Forró do Povo é um momento especial para o artista. “Há poucas praças com a qual eu tenha tanta identificação quanto esse espaço aqui na Orla de Atalaia. Em outras praças, a gente fica distante do público. Aqui vemos o público dançando, vemos a animação e o carinho das pessoas. A vinda pra cá é sempre muito esperada. Me dá uma saudade, uma misto de alegria e saudade”, afirmou o artista, que fez a inclusão de seis músicas que não “estava no repertório, especialmente para os sergipanos”.

O Encontro Nordestino de Cultura, além de fortalecer e valorizar a cultura e tradições dos sergipanos, gerou empregos e movimentou a economia.

No Arraiá do Povo, por exemplo, os empresários e comerciantes comemoraram os bons resultados. Do jovem Lucas Campos, empreendedor de 24 anos, a Zé Américo, proprietário de reconhecido restaurante na capital, a experiência foi muito produtiva e rentável.  “Chegamos a vender uma média de quarenta à cinquenta pratos por noite”, disse Lucas.   Já Zé Américo, que trabalhou com uma estrutura maior, as vendas superaram as expectativas. “Houve dias em que vendemos em torno de quatrocentos pratos. Tivemos mais de vinte profissionais envolvidos”, assegurou.

"A animação do público que esteve presente nas onze noites de programação da Arraiá do Povo, e do Encontro Nordestino de Cultura como um todo, certamente é uma das mais importantes marcas dos festejos juninos em Sergipe e deixa sempre o sentimento de saudade quando acaba”, é o que afirma o aracajuano Amintas Santos. Segundo ele, “essa é a melhor festa do estado, representa toda nossa cultura e alegria. Não é à toa que ‘Sergipe é o pais do forró”.