06/09/2019 05h55 - Atualizado em10/09/2019 12h46

Orquestra Sinfônica de Sergipe emociona no Atheneu

Notice show e1b1a2eb1ceb480c
Ascom

A Orquestra Sinfônica de Sergipe emocionou o público no concerto realizado na noite de ontem, 5, no Teatro Atheneu. Apresentação que incluiu importantes obras do repertório orquestral ocidental, com destaque para a famosa Sinfonia nº3, Renana, do compositor romântico alemão Robert Schumann, além da Abertura “Festival Acadêmico”, de Johannes Brahms, e da brasileira Sinfonietta nº1, de Heitor Villa-Lobos. O concerto encantou a plateia e conquistou aplausos calorosos.

Sobre o concerto, o maestro Mannis ressaltou a importância da performance de peças tradicionais do repertório pela Orsse. “Trata-se de um repertório importante para nosso grupo, para o trabalho dos mais variados naipes, bem como são peças absolutamente amadas pelo público, como a Sinfonia Renana e Abertura ‘Festival Acadêmico’. Realizá-las novamente, com muita energia e qualidade, é algo muito esperado pelo nosso público, e que gera resultados muito positivos em todo o nosso trabalho”.

Felipe Harder, violinista da Orsse,  destacou que  todas as obras apresentadas na noite exploram muito os violinos e isso é para um violinista motivo de muita satisfação. "Essas obras passam uma visão sempre muito dramática da música, com cores mais escuras nas regiões graves, as vezes com o lirismo como se fosse um grito difícil de sair da garganta. Então é para mim muito gostoso fazer esse concerto'.

Para o advogado Antônio Souza, que  afirmou ser é  um exímio conhecedor da Orsse, a mesma vem se apresentando com louvor e proficiência. "Uma Orquestra só se sedimenta com apresentações regulares, e é com essas apresentações que se forma público, tanto que a Orquestra Sinfônica de Sergipe já tem seu público fiel, independentemente de seus convidados, ela sempre tem seu público cativo e eu posso dizer sim que faço parte desse público".

A professora de música Thais Rabelo,  disse que a apresentação da noite foi algo bem especial,  pois segundo ela abordou três obras lindíssimas. "O concerto apresentou desde Villa-Lobos, com música brasileira em que ele tenta retratar esse estilo que Mozart traz; a Sinfonia Renana que é  muito bonita também, que traz essa ideia das paisagens, igrejas, sinos; e a gente acaba se transportando em uma viagem no meio da música. É sempre uma alegria prestigiar a Orsse", afirmou.