26/03/2019 10h40 - Atualizado em27/03/2019 10h35

Funcap realiza programação cultural comemorativa nos dias 27 e 28

Celebrações marcam dias do Teatro, do Circo e o aniversário de 65 anos do Teatro Atheneu

Notice show 814e1bf7fdee4de0
Foto: Arquivo/Funcap

Nestas quarta e quinta-feira o teatro Atheneu abrirá suas cortinas para celebrações ainda mais especiais. Em função do Dia Internacional do Teatro e do Circo, marcado dia 27, e o aniversário de 65 anos do teatro, completados no dia 28 de março, o Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura e Arte Aperipê de Sergipe (Funcap/SE) vai promover uma programação especial para comemorar as datas junto com os sergipanos.

Na tarde hoje, 27, a programação terá inicio às 14h e terá atividades até às 17h, com apresentações teatrais e grupos de dança. Subirão ao palco os espetáculos “O Figo da Figueira” com o grupo Mamulengo de Cheiroso (14h); os grupos de dança Ballare Espaço de Dança, Cubos Centro de Dança, Arte na Escola, Lukas Wandblack e Art Style Crew (15h); Paula Auday – CIGARI (15h45); e Teatro de Sombras ‘Deixe-me-a-ma-la!’ do Grupo Catalise (16h15). Tudo de forma gratuita para o público.

E na quinta, dia 28 de março, a partir das 19h30, festejando os 65 anos do Teatro Atheneu, as bailarinas Nivea Vargens, Isadora Tassiane, Mariana Gonzaga e Mayana Francisco executarão a performance “Vida no Palco”. Além disso, o diretor de teatro, Augusto Barreto, e a historiadora Aglaé Fontes, irão falar sobre as suas vivências no palco.

A programação comemorativa seguirá com uma apresentação diferenciada da Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse), que sob a regência do maestro Guilherme Mannis apresentará o Festival Bach, um concerto inteiramente dedicado às obras do compositor alemão. Compondo a apresentação da orquestra, o jovem pianista aracajuano Suellio Brendo fará sua estreia com a Orsse, e ainda a participação dos violinistas Felipe Harder Annunziato e Fabiano Santana e o oboísta Ricardo Resende.

Celebrar o Teatro Atheneu com Bach não poderia ser mais adequado, considera o maestro da Orsse. “Este teatro recebeu grandes orquestras e peças ao longo de seus 65 anos, muitas das quais do exterior. Trata-se de uma grande conquista”, afirma.