08/07/2019 05h55 - Atualizado em09/07/2019 04h43

Emancipação Política de Sergipe é celebrada com programação festiva em São Cristóvão

A data marca os 199 anos da independência de Sergipe e na ocasião foi assinado Decreto que constitui a Comissão Organizadora do Bicentenário

Notice show 186d02f5354b0a44
Foto: Marcos Rodrigues/ASN
Nesta segunda-feira (08), o governo do Estado realizou, no Museu Histórico de Sergipe, na cidade de São Cristovão, solenidade festiva para comemorar os 199 anos de Emancipação Política de Sergipe. O governador Belivaldo Chagas, acompanhado da vice-governadora Eliane Aquino e do prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana, assinou Decreto que constitui a Comissão Organizadora do Bicentenário de Sergipe.
 
A data que celebra a independência do Estado de Sergipe da Bahia, também foi marcada por apresentações de grupos folclóricos, artistas sergipanos, Orquestra Sinfônica de Sergipe, Coro da UFS, no intuito de regastar e valorizar a história do estado.
 
Em seu discurso, o chefe do Executivo estadual destacou  os preparativos para o Bicentenário de Sergipe.  “A partir de agora, estamos em contagem regressiva para a belíssima data de 200 anos de emancipação política de nosso estado. Aproveito a oportunidade para informar que nosso governo está instituindo uma comissão oficialmente, por meio de um decreto, que vai dar poderes a uma comissão interdisciplinar para organizar a comemoração do Bicentenário em 2020. Comemorar significa “memorar com”, ou seja, recordar juntos”, disse.  

A Comissão Organizadora do Bicentenário de Sergipe será composta por representantes dos mais diversos segmentos da sociedade sergipana, públicos e privados.  Ela tem o intuito de promover a integração, participação e o diálogo entre os diversos setores que compõem a sociedade para as comemorações do Bicentenário da Emancipação Política de Sergipe em 2020. 

Na ocasião, o governador ainda exaltou a coragem, como uma característica forte do povo de Sergipe, assim como o seu amor pelo trabalho, sua inclinação em fazer aquilo que é preciso para avançar, de maneira correta, construindo seu próprio destino com seus braços e com seu suor.

“É preciso lembrar aquilo que nossa história nos ensina, que todas as conquistas de Sergipe sempre foram acompanhadas de muitas batalhas, de que não existe maneira fácil de se alcançar objetivos, de que é preciso muito trabalho, muita luta e muito afinco para proporcionar melhorias de vida para nosso povo, para nossa gente, principalmente, para as pessoas que mais precisam. Mas é também momento de celebrar a coragem. Coragem dos homens e mulheres de Sergipe que sempre enfrentaram os desafios impostos pelo destino com altivez, com cabeça erguida”, declarou o governador.

O prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana, enalteceu o fato de o evento ser realizado na cidade de São Cristóvão, primeira capital, cidade Patrimônio Cultural da Humanidade. “São eventos como esses que demonstram o que é sentir sergipano de verdade, e não podia ter local mais apropriado para comemorar a data do que São Cristóvão. Afinal de contas, em 1820 a capital era São Cristóvão. Por isso, a importância desse evento ser comemorado aqui na Praça São Francisco, a praça de todos os sergipanos”, ressaltou.  

Regaste da Identidade

A programação festiva foi uma realização do governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura e Arte Aperipê de Sergipe(Funcap).

Na opinião da presidente da Funcap, Conceição Vieira, órgãos têm a responsabilidade de incentivar e contribuir para o fortalecimento da identidade sergipana.  “Hojé é mais um dia de cultuar a nossa cultura, tradição, o nosso valor político-administrativo. Essa caminhada tem sido longa, efetiva, de um pequeno território, mas de uma pujança muito grande de produção cultural, acadêmica, de pessoas que influenciam os mais diversos aspectos do nosso país. Cada um, seja no campo ou na cidade, está dando a sua contribuição. Desta forma, entendo que o órgão como a Funcap deve ter essa responsabilidade de convidar e somar ao lado de outros órgãos, para o fortalecimento da identidade sergipana”, destacou Conceição Vieira.

Para a vice-governadora, Eliane Aquino, 199 anos de independência, representam a conquista de uma luta de todos os sergipanos. “Data em que homens e mulheres conseguem levantar a cabeça e afirmar a sua sergipanidade. É isso que nós precisamos carregar na alma. A minha alma e coração já são sergipanos. É uma data de extrema importância para todo estado, que precisa ser incorporada na vida, nas crianças e juventude para que cada vez mais a autoestima do povo sergipano seja elevada”, frisou a vice-governadora.

Já a professora Aglaé Fontes, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, parabenizou a iniciativa do governo do Estado e entregou ao governador Belivaldo Chagas, o Álbum de Sergipe, obra de autoria de Clodomir Silva, que conta a história da Independência de Sergipe. “Nós estamos muitos felizes e extremamente honrados de estarmos participando dessa solenidade, ao tempo que estamos antevendo o sucesso e o orgulho que deve tomar todos os sergipanos, com a comemoração do Bicentenário da Independência de Sergipe”, ressaltou a professora.

Programação

A programação festiva contou com hasteamento das bandeiras ao som da Banda do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe. Após a assinatura do Decreto que constitui a Comissão Organizadora do Bicentenário de Sergipe no Museu Histórico de Sergipe, foi realizada a apresentação da Orquestra Sinfônica de Sergipe, e do Coro da Universidade Federal de Sergipe, na Igreja São Francisco. Por fim, os artistas sergipanos Mingo Santana, Erivaldo de Carira e Luís Fontinelli, e o grupo de chorinho Brasileiríssimo fecharam a programação homenageando o Estado de Sergipe.

A moradora de São Cristóvão, Núbia Smith aprovou a comemoração. “To achando muito bonita. Pra mim, ser sergipana significa muito orgulho pela nossa terra, pela nossa gente, por tudo que somos”.

Da mesma forma elegiou Ana Regina Neves, moradora de Aracaju. “Programação muito interessante, que envolveu um lugar histórico, a Orquestra, grupos folclóricos e artistas locais. Foi bem legal essa iniciativa, de evolver as pessoas para que elas possam ter acesso ao seu próprio patrimônio”, destacou.  

O sentimento de sergipanidade também estava presente na senhora Genilda dos Santos, 64 anos, que há quatros anos se apresenta em um grupo folclórico em São Cristóvão. "Estou muito feliz de estar mostrando a minha cultura aqui nesse dia. Para mim, ser sergipano é  isso, não ter vergonha de mostrar a sua cultura". pontuou. 

Estiveram presentes também na cerimônia o deputado estadual, Francisco Gualberto; os secretários José Carlos Felizola(Geral de Governo); Josué Modesto (Educação), Sales Neto (Comunicação), Leda Lúcia (Seit), Marco Antonio Queiroz(Fazenda); representando o prefeito de Aracaju, o secretário de Assistência Social, Antônio Bittencourt; vice-prefeito de São Cristóvão, Adilson Júnior; vereadores Paulo Júnior, Vanderlan Nego, Vanderlan Correia, Diego Prado, Irmão Gibson; a superintendente do IPHAN em Sergipe, Catarina Aragão; a vice-reitora da UFS, Iara Campelo; diretor-presidente da Fundact, Gaspeu Fontes; presidente do Conselho Estadual de Cultura, Antonio Amaral.