04/11/2019 06h45 - Atualizado em05/11/2019 12h38

Arte e cultura exaltam a sergipanidade no último dia da Virada Cultural

Demonstrações artísticas de diversos segmentos, a exemplo do Dj Grau e da Orquestra Sinfônica de Sergipe

Notice show 35afd555399b6dfa
Público lotou o Parque dos Cajueiros

A tarde de domingo teve um gostinho diferente para o público que compareceu ao Parque dos Cajueiros para prestigiar o terceiro e último dia da Virada Cultural. O evento que faz parte do 5º Festival Sergipano de Artes Cênicas trouxe em seu encerramento, demonstrações artísticas de diversos segmentos, a exemplo do Dj Grau e da Orquestra Sinfônica de Sergipe que teve a participação do Grupo Cataluzes e foi uma das apresentações mais aguardadas pelo público. A cantora sergipana Sandyalê fechou o último dia de evento, apresentando seu mais novo projeto, o “Árvore Estranha”.

A Cia de Teatro Trem Bão abriu as apresentações do dia com o espetáculo ‘Fabular’. Camilo Tostes, ator e diretor da Cia Trem Bão que atua no mundo das artes há 35 anos ressaltou a relevância de eventos como este para o incentivo e valorização das manifestações artísticas em geral. “Acho muito importante inclusive pela quantidade de artistas que se apresentaram durante esses três dias de Virada Cultural, não só das artes cênicas, mas em geral, esperamos que tenham mais iniciativas como essa”, explicou.

A presidente da Fundação de Cultura e Arte Aperipê, Conceição Vieira mostrou-se  feliz com o resultado do trabalho em equipe realizado pela Funcap, “A Virada Cultural é  o resultado de um trabalho integrado de três dias que como todos podem comprovar, foi um sucesso. Idealizamos o projeto, colocamos em prática e ficamos aguardando  para ver como o público reagiria. E  graças a Deus o resultado foi sensacional pela diversidade  de pessoas de todas as classes e idades aqui presentes e essa interação de atividades culturais. Aqui  você tem dança, tem teatro, música, além do  comércio de artesanatos, da gastronomia. Um evento que correspondeu à altura do povo sergipano”.

A dona de casa, Marilene da Silva Santos disse que há tempos não tinha um domingo tão especial e não poupou elogios a organização do evento. “É notório que a cultura sergipana vive um novo momento e o melhor ainda quando idealiza eventos como este, acessível a todos os públicos. Há tempos não via em Sergipe evento com tanta manifestação artística. Que venham os próximos”.